sábado, 6 de fevereiro de 2016

O MAR COMPADECIDO



















Eu, confuso, fui chorar as minhas penas
Ao velho mar e às ondas buliçosas,
Pensando que diria coisas pequenas:
As comuns mágoas e queixas amorosas.

E não mais acabavam as cantilenas
Que ecoavam nas praias arenosas...
As ondas ficaram imóveis, serenas,
Pra ouvir as minha coisas ansiosas.

E, acabada a narração de tudo
Qu' o mar nunc' ouvira, pôs-se carrancudo,
Meditando no que nunca tinh' ouvido.

Fazendo rolar as gemedoras águas,
Viu minhas fundas e dolorosas mágoas...
Pôs-se também a chorar, compadecido!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...