quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

POEMA EM FOLHA D' ÁGUA

























Hoje queria 'screver
Nas minhas folhas de água,
Se tinta pudesse ter
Igual à minha mágoa.

Nunca me faltou a tinta,
Que eu tenha na memória...
Minha mágoa é distinta
Das penas da minh' história.

Tenho as folhas viradas,
Que ferem  meu coração
Com lágrimas derramadas
Por amor, uma paixão...

Quantas lágrimas caíram
Nas folhas amarrotadas
Que dos meus olhos saíram,
Pelo amor, derramadas!

Minha mão quer escrever
Nas finas folhas de água.
Mas, só ao alvorecer,
Descrevo a minha mágoa.

A brisa vem-m' acalmar
Daquele ressentimento.
Coração 'ind' a chorar
Sem nenhum contentamento.

Deixo alma repousada,
Como uma flor em mim
E a saudade encostada
No rebordo do jardim.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...