Follow by Email

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

POEMA QUE TRAGO NO MEU PEITO






















Trago um poema dentro do meu peito,
Mas quem o sabe ler tem amor calado.
Em papel branco ele foi bem feito,
Mas só o sabe ler quem ama o fado.

Vergado pela própria dimensão,
Em mim, por timidez, fica omitido.
E, ao ritmo da mais solene paixão,
O meu amor vai ficar enfraquecido.

Implora amor e busca recompensa:
É poema da minha eloquência...
O meu coração vai quebrar-s' em temor.

Sou como um actor muito imperfeito,
Eu vou guardá-lo bem dentro do meu peito
E assim fortalecerei meu amor.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário