domingo, 5 de julho de 2015

TARDE AMAMOS

Há momentos na vida que supomos
Ter vencido os traumas e feridas
Sofridas nos poentes dos Outonos,
Sem pensar no sangrar das despedidas.

Há momentos de flores renascidas
Nos áridos desertos que nós somos,
Com o acre penar das nossas vidas,
Quando, no Verão, já só há Outonos,

Desse tempo, ficou a debilidade
E dele choramos com piedade
O modo de vida do navegar...

E foi-se o nosso amor ao fundo!
À tarde, no crepúsculo do mundo,
Choramos as razões do não amar!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

TRAZER O "SER" LIBERTO

Da gota d' água dum carinho agreste Geram-se os oceanos da bondade. O coração qu' é livre e bom reveste Todo o...