sábado, 25 de julho de 2015

O NOSSO ADN NATURAL



















Temos uma voz interior que ouvimos
Dizer que nunca queremos ser o que somos:
Tudo aquilo que pensamos e ouvimos
É sempre a antítese do que supomos.

Do interior do barro de onde vimos
Há também árvores que dão flores e pomos,
Há ervas com sementes, musgos e limos...
Todos têm igual vida à que dispomos.

Não adianta pensar que muito sabemos:
Somos névoas volantes, ilusões... fumos,
Não passamos de ideias: É o que temos!

Nascemos da mesma essência: Do húmus,
Somos contrastes e vivemos de extremos...
Sem a alma, teríamos os mesmos rumos!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...