quarta-feira, 9 de julho de 2014

SÓ O AMOR É PRECISO























S' a vida predomina sobr' a bravura
Do bronze, pedra, terra, imenso mar,
Poderá sobreviver a formosura
Sobr' a corrupção qu' andam a semear?

Como pode o aroma do Verão
Trazer a garantia d' alegria,
Se a soberbia destes homens são
Tão inúteis pra viver em calmaria?

Onde ocultar - meditação atroz! -
O ouro que querem guardar na arca
Da corrupção, enriquecendo veloz?

Na Natureza, o tempo não demarca
Outr' eficácia a não ser Amor!
Que a Beleza guarde seu fulgor!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...