Follow by Email

sexta-feira, 25 de julho de 2014

CONTEMPLANDO
















De janela aberta aos eflúvios
Que vão e vêm, minh' alma medita...
Muitas vidas de lutas e distúrbios
De prazeres, paixões... gente que grita!

Tudo s' ama, odeia, ou s' evita,
Ou se cruza numa trama subtil.
Ao sol, todo o vivente s' agita,
Há sempre quem seja nobre ou vil...

E... Eu penso num tempo mais distante,
Vejo a humana vaga... e nela
Nada muda do drama palpitante!

As ondas continuam a rolar,
É sempre igual a minha janela...
Mas, esta gente terá que mudar!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário