domingo, 20 de outubro de 2013

FIM DO DIA

















Caía rubro o sol mansamente.
Havia sombras lentas p'lo espaço...
Um fim do dia calmo, inocente,
Traz ilusões roubadas, no regaço.

Soprava vento leve p'lo espaço.
Uma menina passava tremente...
A tristeza cinge como baraço,
Soluça e fica ali fremente...

Lembranças de pesar vêm na curva.
A água do rio 'stava turva,
Ia devagar com pouco rumor.

E os crepúsculos do sol se sentem,
Angústias sem igual se pressentem...
Foi-se a tarde... Adeus ao amor!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

DESCANSO DUM SONHADOR

A cabeça pendida docemente Em sonhos do sonhador inquieto: É o sonho o seu bordão clemente E repousa num descanso discr...