domingo, 22 de setembro de 2013

A CHAMAR O OUTONO
















O Verão dissolve-se aos intervalos,
As nuvens projetam-se contra o vento...
Lá vão elas pró sol, por vezes sangrento,
Formando vários sóis a sufocá-los.

Caem folhas pálidas no ar cinzento,
Junto da bonita luz incendiária...
Dão-me aparência imaginária
De cor, de som, de céu em movimento.

Então, o céu m'envolve, eis que m'arrasta
O seu raro esplendor, o trepidante
Fremir de intenso anil. No alto um abono:

Uma forma incorpórea,  a visão casta
Do que fascina em queda agonizante...
As folhas do amor chamam o Outono.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...