A TARDE NO CAMPO


















Ver a tarde no fim da hora das novenas,
Com belas meninas, cantando em surdina...
Põem trémulos de dor, de saudades terrenas,
No crepúsculo da tristeza vespertina.

Dorido langor de agrestes cantilenas,
A lâmpada do acaso nos ilumina.
O claro-escuro deixa-nos ver as bermas,
Sentindo em nós, uma estrela divina.

Longe, a tarde cai , em violeta agonia!
São as horas dumas doces melancolias...
Pena a rapaziada não entendê-las!

Nestas noites, sem luz, ir pelos ermos campos,
Cabelos ao luar, olhos de pirilampos...
Desce a bela noite, aparecem estrelas!

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA