domingo, 3 de julho de 2016

POBRE VOLUNTARIADO

















Trabalhei sem consolos, sem cansaços
E no amargor da solicitude.
As dores? - Empurrei-as com os meus braços
Com força que tinha na juventude.

Ascendi luzes, desbravei espaços
Aos olhos da bondade, da virtude.
Consolei mágoas, tédios, fracassos
E fiz a todos tod' o bem que pude.

Descansava debaixo das ramagens,
Escondido de tácitas voragens
E minh' alma sentia-se infeliz...

Há névoas soltas na existência,
Ânsias a ferir a consciência
plo que devia fazer e não fiz!...

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...