quarta-feira, 20 de julho de 2016

COMO UM CISNE

























Havia um cisne nessa hora, quando
Caía a noite perpétua, escura,
Saudosissimamente suspirando,
Nesse bosque de solidão que procura.

Há novo som melodioso e brando
Cheio de desgosto e mágoa pura,
Ao longe ou perto vai dilacerando
Os seus piedosos cantos sem ventura.

Assim, também, sujeito à dura sorte,
Para que me alivie e conforte,
Espalho meu queixume no ambiente.

Meu sofrer torna a vida dura sorte
E eu tenho que a levar ao meu norte,
Mas me tortura e mata lentamente.

Modesto


Sem comentários:

Enviar um comentário

TRAZER O "SER" LIBERTO

Da gota d' água dum carinho agreste Geram-se os oceanos da bondade. O coração qu' é livre e bom reveste Todo o...