Follow by Email

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

TARDE CINZENTA

























Estou sozinho, no meu quarto, na penumbra,
Um claustro onde a tristeza é o monge...
Olho pela janela, meu olhar vislumbra
Um céu cinzento...aves voando ao longe.

Tarde viúva de sol,sem azul celeste,
Razão para ver a paisagem que magoa.
Parece que o dia de luto se veste...
Não admira que a chuva pareça boa!

E, vens tu, tristonha e toda embuçada...
Ai, quem te viu de azul e ouro toucada,
'Inda circulas como esplendor de gala!...

A sós, no quarto, em tristeza diluída,
Grita, no silêncio, ave foragida,
Entra p'la janela! É azul vivo d'opala!...

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário