O CARRO DE BOIS


















Brilha no céu escuro o primeiro lampejo
Da aurora. Começa o trabalho com arte!
Ao cimo da serra, o sol já dá o seu beijo
E o horizonte pinta-se de escarlate.

No doce amanhecer, vibra suave arpejo.
O meigo clarão, no oriente, de ouro mate,
Tinge no cariz do céu leve rubor com pejo,
Qual tinta que na tela húmida se dilate.

Animam-se nas árvores cantos matutinos,
Cantam os galos, mestres dos ermos campesinos,
Os campos e os montes luzem no seu fulgor.

Encangados os bois com canga em couro segura,
Segue o chiar do carro na sua faina dura,
Vai pelo carreiro entre os campos em flor!

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA