domingo, 16 de novembro de 2014

PELA TARDE, O ECOAR DOS SINOS



















Vai caindo o sol para o poente,
Vem a sombra em véu, a noite cai!
Soa pelo espaço tristemente
Um sino qu' em lágrimas se esvai,
Com seu tom soturno e padecente,
Num ar choroso, ecoando vai.

E aquele tom triste e plangente
Que ressoa no meu coração,
É como se fosse um sol poente
Roxo que se esconde no chão...
E a solidão afunda e sente
Qu' a vida não passa de ilusão!

E, ao lusco-fusco, suavemente,
Outro sino toca mais devagar:
Já é um som doce e abrangente
Que parece que nos vem convidar
Para ir contemplar o sol poente
E ver o nascimento do luar!

Modesto


Sem comentários:

Enviar um comentário

TRAZER O "SER" LIBERTO

Da gota d' água dum carinho agreste Geram-se os oceanos da bondade. O coração qu' é livre e bom reveste Todo o...