domingo, 5 de janeiro de 2014

CHUVA E AVERSÃO
















Sobe, vem do mar nas tardes em declínio,
Das planícies perdidas na saudade...
Vai até ao céu que é seu domínio,
Para cair e molhar a mocidade.

Goteja na horta e deixa-me triste,
Com anseios que s' alongam p'la aurora...
Os Políticos 'stão com cortes em riste
E a desilusão em minh'alma chora.

Quando os homens seus ganhos sufocar,
Pra todos terem leito pra se deitar,
Não há aversão nem chuva que sufoque.

A chuva continuará a cair,
O aconchego da casa fará rir,
E a satisfação virá a reboque.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

UM PAR DE ASAS

Se eu fosse águia ou cotovia Com liberdade plena à minha mão, De voar segundo a minha fantasia, De abrir as asas e ...