Follow by Email

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

FANTASIA
























O sol já se pôs,
Deu lugar à lua
Que veio maternal
E, numa ronda atenta,
Vigia natural,
Interpreta os sons
Da quadra do Natal...

Quando cai a noite,
Até os próprios rios
Procuram o seu leito.
As águas acalmam,
Tudo é perfeito
E com grande brio.

Aves apressadas
Vão em debandada
Para recolher.
Já canta a rãzada
Que parece afogada
E não se deixa ver.

Cantam nos seu charcos
Girinos batráquios...
Natureza viva.
Nos rios, os barcos...
A pesca se aviva,
Nos meios aquáticos.

Tudo vai descansar.
Já nada quer mexer...
De cabeça a cambar,
Querem adormecer.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário