domingo, 2 de julho de 2017

DESEJO

























Ah! Se o meu livro fosse esplendor,
Se o seu brilho fosse entendido...
Meu coração tão cheio de amor,
Minh' alma era desej' incontido!

Ah! Se tudo em mim fosse primor
E o meu tempo não fosse perdido...
Seria tão nobre o meu labor,
Ah! Seria o poema mais lido!

Mas, tudo isto é louca paixão!
Riso tão displicente e tão vão...
Como quem quer saciar-se num beijo!

Seria a loucura dependente,
D' olhos fechados, beijar tod' a gente,
Se fosse tudo como meu desejo!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...