POEMA QUASE LÍRICO



















Farto de mim, meus versos têm andado.
Eles são feitos para que me entendam.
O objecto dos versos é extremado:
Faço votos para que me compreendam.

Sei que o lirismo tem que ser julgado,
Pra qu' os poemas em flor não s' arrependam,
Nem o amor-verso seja condenado,
Nem a paixão que os poemas desvendam.

As minhas mágoas o luar escuta,
A alma entra com o amor em luta...
Não sei porque lirismo traz tanta lida.

Meus poemas são escritos sem destino,
São pólen da flor ao vent' em desatino
E só o amor amor, dá sentido à vida.

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA