sábado, 9 de janeiro de 2016

OS MEUS POEMAS

























Farto de mim, meus versos têm parado.
Faço poemas para que os entendam.
O ritmo dos meus versos é estremado,
Componho-os para que os compreendam.

Porque fazem meu poema ser julgado?
Não há flor que de poemas s' arrependa!
Só o amor julga verso condenado
À paixão que o mistério desvenda!

Grito de mágoas, só luar me 'scuta
Na minh' alma que é meu amor que luta
E nem sei porque luta com tanta lida!

Meus versos são fado que vai sem destino
Como pólen de rosas em desatino...
Resta-m´amor que dá sentido à vida!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

DELÍRIO AO PIANO

A tecla, mais doce que um carinho Do meu piano ebúrnio, soluçava. Era como ouvir um sol mansinho, Em cada nota que ne...