segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

AMOR QUASE PERDIDO



















Passo noites a lembrar os retalhos,
Bocados dos meus tempos de ternura.
Com eles faço caminhos, atalhos...
Perdido em montanhas d' aventura.

Por entre árvores vejo espantalhos
Que afugentam os pássaros - loucura!
Tropeço nas estradas de cascalhos...
Quero levar, ao meu amor, ternura.

Eu nunca pensei que doesse tanto
A falta d' amor e o desencanto
Que picam como espinhos da flor.

Levo um recado à minh' amada,
Com a alma quase dilacerada,
Pois não é justo perder o amor.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...