sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

E VOLTA O SEM ABRIGO
























Voltaste, ó meu amor... Enfim, voltaste!
Como fez frio, aqui, sem teu carinho!
A flor da aurora florece na aste
Que pendia, sem vida, no meu caminho.

Obrigado.Eu estava tão sozinho...
Qu' infinita alegria! Que contraste!
Meu doce amor, és melhor que o vinho...
Foi pela tua bondade que voltaste!

Pra te pagar, eu te dou este poema
Simples e humilde, repete o tema
Da alma humana tão envelhecida.

Porque voltaste, eu quero celebrar.
Leva-me contigo, para não voltar,
Por falta de vontade, ' stragar a vida.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AOS RAIOS DO LUAR

Nos belos raios do luar, floria Rosa ideal, resplendor d' Halade! Erravam fluídos de harmonia Pela etérea, branca cla...