segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

DOIDA CORRERIA

























Pára, de repente, o pensamento
Como s' apanhasse um resfriado.
Eu busco a paz no esquecimento,
Logo na correria sou levado!

Paro, suspenso, escuto atento
Como um cavalo alucinado.
Fico-me em demora um momento,
Logo s' abr' um abismo afundado!

Quero parar a doida correria...
Mergulho na noite escura, fria
Qu' à beira do abismo se demora.

Há uma dor no flanco que s' estria,
Um pensamento que a noite explora...
Corro a galope,.. fujo da espora.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

TRAZER O "SER" LIBERTO

Da gota d' água dum carinho agreste Geram-se os oceanos da bondade. O coração qu' é livre e bom reveste Todo o...