quarta-feira, 22 de junho de 2016

CREPÚSCULO NO CAMPO



















O vento and' à volta dos pinheiros
E entra pelos galhos sem quebrá-los.
Espantam-se os bichos sorrateiros,
Correm para o poleiro os galos.

As flores retorcem-se nos canteiros,
Os pássaros revoam nos seus talos,
Do Douro levantam-se nevoeiros,
O vento pela costa vai levá-los.

A tarde cai n' amena solidão,
Trevas fazem da lua seu bordão
Qual tinta clara numa tela suja.

A noite vem perto: É Verão!
Já dormem os perus e o pavão,
Coaxam as rãs, pia a coruja.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...