NO MEU QUINTAL



















Não gosto de caminhar pelas ruas,
Pois não vejo flores que lacrimejam,
Só flores despetaladas e nuas,
Longe daqueles sonhos que desejam.

Minhas mãos tiram ervas espinhentas,
Abrolhos donde vem o meu sustento.
Quintal árido, não me apascentas,
Inútil prosseguir... Porém, eu tento.

Eu hoje consegui fazer a lavra,
Mesmo com falsa luz que a tez grava,
Custando tatuados pesadelos.

De tanto pedregulho recolhido,
As farpas invadem meu sentido,
Com suores caindo sem desvelos.

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA