sexta-feira, 6 de maio de 2016

MAIO CINZENTO






















Coroada de nuvens vem a aurora
Por detrás dos montes do oriente,
Vem com rosto de sono 'inda agora,
A meus olhos fantástica, indolente.

Enche os lados dos montes d' ornamento,
O dia vai ficar cinzento e duro.
Mas a aurora vem no seu momento,
O sol perece estar ao dependuro...

O sol a custo rompe, a cust' invade
Um espaço branco e com luz brilhante
Fulge através da força de vontade...
Vem refulgente com véu de diamante.

Fulge sem cobrir o cume das montanhas,
Com brilho nas folhas trémulas com neve.
Parece o inverno com suas manhas,
Já na primavera, seu curso escreve.

Pouc' a pouco dissipa-se no espaço.
As nuvens da manhã subiram os montes,
Vão cobrindo o céu de um negro baço,
Já não se vão vislumbrar os horizontes!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...