sexta-feira, 27 de maio de 2016

ENTARDECER COM POESIA

















Breves momentos! Depois dum comprido dia
De penas, de incómodos e de cansaço...
Posso-m' a ti entregar, doce poesia,
Mesmo qu' o corpo se sinta partido, lasso.

Com a janela aberta à luz tardia
Da lua cheia a clarear espaço
Na transparência 'strelada, noite fria...
Inspiras-me, bela musa, a cada passo.

Ao chegar, teu breve beijo me vivifica.
Na mesa onde escrevo rápido fica
Um verso, um pensamento, uma saudade.

Mas, como já é tarde, depressa flutuas.
Em cima do papel, restam penas tuas
Que tornam estéril a sensibilidade.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

VENDO-NOS AO ESPELHO

O espelho não me diz que envelheço, Enquanto andar junto da mocidade. Mas as rugas vêem meu rosto impresso... J...