sexta-feira, 8 de maio de 2015

ENLEVOS NO MEU TORRÃO NATAL


















Entr' as frestas do passado,
Meu olhar está distante...
Vejo-m' agora atado,
Mas ainda expectante.

Na linha do horizonte,
Vejo passado constante,
Se passeio pelo monte,
O tempo é delirante!

Ao tempo, apaixonado,
Entre amores, constante,
Eu cantava afinado,
Pró meu amor vigilante.

Lá do alto duma fraga,
Vejo ambient' agreste...
E o meu ego afaga
A coroa dum cipreste.

Olho para as campinas
Mostrando as suas flores.
Então desço as ravinas
E colho prós meus amores.

S' amanhã acontecer
Não poder contemplar
As paisagens de prazer...
Eu prefiro nem pensar!

Ninguém me tira da mente,
Tão-pouco do coração,
Esta visão permanente
Deste meu natal torrão!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...