AS ROSAS DO POETA
















Não t' aflijas com a pétala que voa.
Pode-se ser, sem deixar de ser assim:
Como a rosa vai ver cinzas à toa
Num mundo dif'rente que já foi jardim...

Eu deixo aromas, até nos espinhos.
Ao longe, o vento vai falar de mim.
Deixo-me perder, no vento, aos pouquinhos,
Para ser lembrado e não ter mais fim.

O poeta, irmão do vento e água,
Deixa seu ritmo, por onde passa mágoa...
Suas pegadas ficam pelo caminho.

Sua trajectória também tem céu:
No seu jardim, crescem rosas negro-breu...
Mas são só as rosas que lhe dão carinho!

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA