Follow by Email

sábado, 10 de janeiro de 2015

SILHUETAS DO ENTARDECER
















Inflama-se o poente,
Trazendo-nos bom perfume,
Deixa coração doente,
Com saudades do costume.

Vento de aquecimento,
Arrastado e dolente,
Leva-nos o pensamento
A lembrar amor ardente!

A tarde vai lentamente
Deixando-nos ansiosos:
Foge a estrela luzente,
Ficam escuros medrosos.

Vamos ficar na penumbra,
Lusco-fusco - consciência:
O seu exame retumba
No ser em reminiscência!

O entardecer no mundo
Deixa ver as silhuetas
Dum viver pouco profundo...
As saudades? São só tretas!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário