Follow by Email

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

CRUELDADE





















Sê sábia, dor! Mantém-te quieta.
Reclamo e ei-la que vai descendo.
Ares, sombras... tudo se projecta,
Vai vindo paz... Angústias tecendo!

Eu sou mortal. Mas esta dor abjecta
É flagelo atroz e sem virtude.
Faz-me servil! Teimosa, repleta
De tormentos... Há 'inda juventude!

Deixas perdidos os anos passados,
Sabes usar vestidos antiquados,
Apareces sempre com ar doente.

Mas encontras o Sol e vida branda!
Ouve, manha dor: Há aqui quem manda...
Guard' o sudário no Oriente!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário