quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

O QUE SENTE O CORAÇÃO

Sentado à 'scrivaninha,
Viajam meus pensamentos...
Sem querer, a pena aninha
E rabisca sentimentos.

São farol da minha alma,
Coração de poesia,
Com seus momentos de calma
A espalhar alegria.

E já não posso calar
O que meu coração sente:
Que tenho de semear,
No mundo boa semente.

Um conselho posso dar
E dou-o com segurança:
Colorir sonhos, amar...
É vida, é esperança!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AQUI MOROU MEU REI

Aqui morou um rei quando, menino, Vestia um castanho algodão. A pedra da sorte do meu destino Pulsava junto ao meu cora...