domingo, 18 de agosto de 2013

TURBULÊNCIA DAS MARÉS















A voz do mar é um clamor de fúria,
De paroxismo, no tombar da água
Com espasmos de amor e luxúria,
Talvez um mito divinal de frágua.

Líquidos tralhas rebentam nos rochedos,
Fazem tremer com ímpeto d'azoto
Os penhascos austeros ou penedos,
Que seu sopé vai ficando roto.

O sol é um áscua, glorioso...
Pastor que guarda os céus deslumbrantes,
Guia branco rebanho milagroso
De magníficas ondas espumantes.

Que queres, Mar? Acaso há rodada,
Contenda no remurmurar sonoro?
Vai, segue a branca e desnudada,
Entre as ondas, Afrodite de ouro!

Essas torturas ásperas supremas,
São novos prodígios e sinais?
Ou queres do azul fundir as gemas
Para os claros olhos imortais?

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...