terça-feira, 27 de agosto de 2013

A INCONSTÂNCIA DESTA VIDA




















Nasce o sol, mas não dura mais que um dia.
Depois da luz, segue-se a noite escura.
E, em tristes sombras, morre a formosura.
Contínua tristeza, pouca alegria!

Porém, se acaba o sol, para que nascera?
Se a luz é formosa, porque não perdura?
Mesmo a beleza: porque se transfigura?
Se não é para durar, porque se fizera?

Mas se ao sol e à luz falta a firmeza,
Se à formosura, não se lhe dá constância...
Não é n'alegria que se sente a tristeza!

Andamos no mundo cheios de ignorância
E gostamos demais dos bens da Natureza...
Não temos firmeza, somente inconstância!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...