terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

MEU ALTAR EM CONCHA















Meu altar entre rocha e girassol,
Meu estro, meu luar de incenso e prata...
Quão humilde é a voz que te retrata,
Mas não desmente a luz do teu belo sol!

Tua imagem forma bela paisagem,
Como uma silhueta ao luar!
Escrevo meus versos para te cantar
Uma canção suave que vai p'la aragem.

Quisera ir mais longe, cantar mais alto
A serena beleza que te envolve
Sobre esse chão sagrado onde nasci:

Onde terra e rio num sobressalto
Justificam essa paz que me absolve
A vida de ilusões que vivi aqui!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AS FRAQUEZAS DA VIDA

Eu não sei se há algum fundamento Andar com a vida sem sintonia. A esperança levou-a o vento... Pois tudo tem que aca...