Follow by Email

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

FLORES E POESIA



Hoje acordei e queria
Da vida toda a intensidade,
O vento a soprar com suavidade,
Todas as cores da liberdade...
As lágrimas de purificação, se houver bondade
E que os dias fossem todos feitos de amor.
Entretanto, o meu coração no peito bate,
Ao compasso do tempo
E vai sulcando caminhos
Sem o tempo da hora que bate,
Distribuindo carinhos.
E uma brisa ténue
Quase sopra,
Quase névoa
Breve, breve
Tocou-me ao de leve
Com sua graça.
Ficou o cheiro
A esperança,
Quase paz,
Numa promessa
De alegria,
Na realidade
Da poesia.
E os poemas nascem nas mãos,
São carícias, pétalas de flores,
Brisas delicadas,
Beijos na face,
Folhas orvalhadas
E caules sem espinhos.
São como o alecrim
Ou a flor de jasmim
e fontes de carinhos.
Hoje eu queria
Toda a intensidade da vida
Feita bandeira da minha Nação
E todo a gente em corrida
A disparar flores com um canhão!

Modesto




Sem comentários:

Enviar um comentário