Follow by Email

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

SOLIDÃO PACIENTE



















Quando o sol longe andava,
O vento nas árvores se movia,
Tudo por dentro do meu eu chorava,
Na tarde cheia de melancolia.

Quando as lágrimas em mim nasceram,
Já perto do nascimento do dia,
Veio o sol, lágrimas se perderam:
Alguém alegre me fez companhia.

Mas... nem o sol nem a lua vieram!
Andavam longe... fazem manhã fria.
As nuvens negras tudo escondiam,
Deixaram meu rosto sem alegria.

Experiência - o meu estudo
Deixa-me uma solidão paciente.
Recolho-me,observo e escuto...
Silêncios que mais ninguém entende.

É tudo segredo, mas bom exemplo,
Caminhos invisíveis por ond' ando.
Eu sou apenas pura flor ao vento...
Mas soa, pelos vales, o meu canto!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário