Follow by Email

quinta-feira, 23 de maio de 2013

VIDA



















Vivo uma vida festiva,
A vida da existência:
Labirinto sem saída
E, às vezes, de ausência.

Tenho crença fervorosa,
Confio nos argumentos
D'um verso ou d'uma prosa
Qu'às vezes saem cinzentos...

Tenho um olhar distante,
Virado pró horizonte:
É deserto delirante
Com a solidão aos montes.

Mas na vida eu confio,
Apesar do seu horror:
Há um viver doentio...
Já não se vive o amor!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário