quarta-feira, 3 de agosto de 2016

UM CÉU DE PÚRPURA
















É púrpura o céu ao entardecer
No infinito do monte cintilante.
N' amplidão vai o sol empalidecer
Até que o véu da noite se levante.

Fog' o dia, mil 'strelas vão ap'racer
No cariz do céu e no mesmo instante,
A lua faz o brilho que deve ter,
Qual luz da terra pelo céu distante.

Os bichos fogem e nuvens de pardais
Louvam a Deus com cantos triunfais,
Voando pelas copas dos arvoredos.

Tudo adormece, vazio profundo!
E, neste abandono, deita-se o mundo...
A noite veste o manto dos segredos.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...