domingo, 13 de setembro de 2015

SAUDADE

















Desfaz-se minha voz na despedida
Da infância que marca meu tempo,
Mesmo com a lágrima escondida,
Olho pra trás e vejo sem contento.

Vou sonhando a meio do caminho
A angústia da separação,
A dor profunda é como espinho
Espetado no fundo do coração.

Oh solidão incógnita dorida,
Neste meu longo distanciamento,
Vais rasgando a minha resistência!

Minha terra amada e sentida
Vais-te mantendo no meu pensamento,
Com saudade da amarga ausência!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

DELÍRIO AO PIANO

A tecla, mais doce que um carinho Do meu piano ebúrnio, soluçava. Era como ouvir um sol mansinho, Em cada nota que ne...