segunda-feira, 21 de setembro de 2015

NINFAS DO DOURO






















O sol já há muito que desaparecera,
As estrelas iam espalhando luz branca
Pelas montanhas distantes, cor amarela
Da lua cheia que aparecia franca.

O vento soprava sobr' o canavial
E zumbia nas montanhas amareladas,
Na paisagem a nuvem branca jovial
Flutuava no Douro de águas douradas.

Uma nereide prateada soluçava,
Jovem sereia aos suspiros me chamava
Prá água que fluía tão tranquilamente.

A noite inteira ouvi os seus lamentos:
Queria que lh' arranjasse uns unguentos
Pra conquistar um jovem com sua voz voz quente.

Modesto


Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...