quinta-feira, 18 de maio de 2017

VIVER A ALEGRIA DAS AVES



















A dor que já não me dói, agoniza.
Corrompeu a fundo todo meu eu!
Agora, meu coração ironiza
A dor que, como folha, se perdeu!

Já ouço, no murmúrio da noite,
O canto alegre da cotovia,
Aplacando na alma o açoite
Do vazio diurno que sentia.

Do amor que não me foge, eu sinto,
Como um azul dum céu de jacinto,
Que me invade, sacode e diz:

Abre-te à alegria e canta
Com gosto o soneto que encanta...
Faz como as aves! Serás feliz!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

O CORAÇÃO DO SER HUMANO

O coração de todo o ser humano Foi concebido para ter piedade, Pra ser doce no eterno desengano, Para olhar e s...