Follow by Email

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

NOSTALGIA DO ENTARDECER




















`A tarde, a alma cura-se das feridas,
Mas, quantas cicatrizes há na lembrança!
Passam  p'la alma muitas queixas doloridas,
Há um véu em tudo o qu' a vista alcança.

Horas de sombra: O crepúsculo avança.
Nostalgia, filigrana entre-tecida
Com fios d' ouro e prata, já qu' a lembrança
Deixa mazelas pelos tecidos da vida.

O nosso sol vai fugindo abandonado,
Vem a lua que em seu lugar aparece,
Traz ao coração coisas do nosso passado.

A saudade vem misteriosa e calma.
Escondem-se os passarinhos... Anoitece!
Tudo se cala e anoitece a alma!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário