segunda-feira, 17 de agosto de 2015

PROCURO-TE, AMOR

























Sabes que dormes nos ninhos das andorinhas
E lá ficas a dormir entre os meus dedos?
São umas pequenas coisas que são só minhas,
Onde crescem frutos doces e há segredos!

Talvez tu não conheças, mas isso existe
Naqueles bosques de folhagem permanente.
Quando lá vou e não t' encontro, fico triste,
Mas só de te ir procurar, fico contente!

E do meu grande amor, não sei se sabes
Sequer que se existe uma só demora
Fico a ouvir o canto das belas aves
Que ficam a cantar teu nome tod' a hora!

Talvez não compreendas, mas até o vento
Anda a espalhar, ao redor, meus recados,
Até vir o por do sol ao meu pensamento
Quando os dias são azuis e perfumados.

Oh meu grande amor, quem sabe se tu sabes
Que quero e tento construir uma casa,
Que é para nós, com a ajuda das aves:
Fazem ninho e m' apontam pra ti a asa!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AOS RAIOS DO LUAR

Nos belos raios do luar, floria Rosa ideal, resplendor d' Halade! Erravam fluídos de harmonia Pela etérea, branca cla...