O FIM DA TARDE


























Vermelho,no ocidente em agonia,
O sol... As aves em bandos arrumados
Fogem, ao fechar das pálpebras do dia,
Num céu de ouro e púrpura raiados.

Já escurecem, além, as serranias,
Com vértices de chama aureoladas...
Vejo tons suaves em melancolia
E, em torno, os cumes param cansados.

Um mundo de odores, no ar, flutua,
Vem sombra, na proporção qu' a luz recua,
Com uma informe névoa que cresce.

Aos poucos, dentre as árvores, a lua
Surge trémula a brilhar... e anoitece!
A Natureza apátic' adormece.

Modesto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NASCESTE, FILIPA !

A VIDA TEM OUTRO SABOR

SALVEMOS O PLANETA