sexta-feira, 17 de outubro de 2014

AGORA, SINTO SAUDADES






















Não foram os meus olhos castanhos e claros,
Nem o verde dos teus, flor bela de marmelo,
Também não foram os teus bens pecuniários...
Foi apenas um pôr do sol brilhant' e belo.

Foi porque há muito te amava calado,
Nas noites frias balbuciava teu nome,
Era teu amado príncipe encantado
E, 'inda hoje, aquele fogo me consome.

Não fui ter contigo em cavalo montado,
Porque me tornei sensível e educado
E meu vaso de amor se tornou repleto.

Como Adão, passei a viver no Paraíso,
Quando me deste o teu sim e um sorriso...
O meu coração s' entregou a ti completo.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

ORIENTA-ME, ESTRELA DA MANHÃ !

Eu te procuro, doce estrela a manhã Que no lusco-fusco d' aurora 'stá desperta, Por vezes, no meio de nuvens c...