quinta-feira, 12 de novembro de 2015

NO CAMPO, AO CAIR DA TARDE

























Sobre os montes e campos perfumado
Estendam-se véus de sombras e palores
E os verdejantes cerros escalvados
Cingem, no entanto, vividos fulgores.

Trabalhadores em cismas mergulhados
Voltam do campo os pobres lavradores,
Entoando os seus cantos magoados
E soam no ar bucólicos rumores.

E o sino, em doloroso acento,
Toca para prece, o povo suspira,
Ao ritmo do sino, canta seu lamento.

Tocand' à janela com gigante lira,
'Stá a menina entoando ao vento
E à luz do sol que no poente expira.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

O CÉPTICO TAMBÉM PENSA...

Deus há muito desceu no Ocidente, Lá, por trás dos montes de rosa tingidos... Vejo o mundo que ante mim s' estende ...