terça-feira, 25 de setembro de 2012

AQUI NADA HÁ DE NOVO












Se nada há de novo, é tudo o que há...
Já antes era como agora é,
Só ilusão! A Criação será:
Criar o já criado que já é?!

Mostrai-me sobre um livro antigo
Como quinhentas translações astrais,
A tua imagem, na inscrição, no abrigo
do espírito em seus signos iniciais...

Se eu soubesse o que diria o velho mundo
Deste milagre que é a tua forma:
Ou te viram melhor, ou me confundo,

Se as translações seguem a mesma norma.
Mas disto estou seguro: Antigos textos
Louvaram mais com bem menos pretextos.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

AQUI MOROU MEU REI

Aqui morou um rei quando, menino, Vestia um castanho algodão. A pedra da sorte do meu destino Pulsava junto ao meu cora...