terça-feira, 23 de abril de 2013

POEMA É FOGO





















Meu poema é um fogo que arde!
É como corda de uma viola
Que se gastara sem alarde...
É canto de pássaro na gaiola.

É fogo que queima. Não é d'agora!
E junto ao teu coração é quente.
Poema quente que ferve e devora
Espaço que s'opõe entre a gente.

É canção de agora e vibrante
Outrora serenata, já  aflora
Às rosáceas faces bem brilhantes.

É fogo em que dançamos o vira:
Começa, alastra, queima, devora...
É corda de viola, harpa, lira!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

INCÊNDIO VELOZ

Corre mais que um atleta, mais depressa E corre tão depressa como o vento... Atrás de si, fica a treva espessa: O ten...