sábado, 20 de abril de 2013

A MINHA VIDA ANOITECE

























Sinto da noite a nudez
Qu'arrefece a minh' alma,
Sinto na noite a surdez
Entre sonhos e a calma.

Sinto a noite esquecida
E que já foi muito bela,
Outra noite pervertida,
Causa da cadente estrela.

Sinto noites de paixão,
De encantos, de amores...
O cansado coração
Lá vai causando as dores.

À tarde, quando anoitece,
Fico cheio de alegria,
Mas conforme a noite cresce
Desaparece a magia.

Sinto noites qu'arrefecem
E não sei se amanhece,
Há noites que entristecem...
A minha vida anoitece.

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...